Médico-legista é indiciado por falsa perícia no caso Renata Muggiatti

 

 

O médico-legista Daniel Colman foi indiciado pela Polícia Civil por falsa perícia no caso envolvendo a morte da fisiculturista Renata Muggiatti, em Curitiba.

Colman foi o primeiro médico a fazer perícia em Renata, em setembro de 2015, quando ela foi encontrada morta. Ele havia atestado que a fisiculturista não tinha sido asfixiada — um outro laudo, produzido depois por uma junta de médicos-legistas, porém, apontou o contrário.

Os detalhes sobre a investigação sobre o médico não foram revelados, já que o processo tramita em segredo de justiça. O advogado de Colman não quis comentar o caso.

Afastamento
A Direção da Polícia Científica do Paraná afirma que, diante do indiciamento, vai afastar o servidor das funções no Instituto Médico-Legal (IML).

Um procedimento administrativo disciplinar também foi aberto contra o médico na época dos fatos, cuja conclusão recomendou a demissão dele.

O procedimento foi encaminhado para Secretaria da Segurança Pública do Paraná e está no departamento jurídico da pasta para análise e parecer. Caso seja acolhida a decisão, o procedimento será remetido à governadora do estado para última análise.

 

O caso
O médico Raphel Suss Marques é acusado de matar a namorada fisiculturista Renata Muggiatti, em setembro de 2015. De acordo com as investigações, Renata caiu do 31º andar de um prédio no Centro de Curitiba. No boletim de ocorrência, à época da morte, Raphael falou que Mugiatti se atirou do apartamento e que estava passando por frustações e depressão. Ele foi preso e solto, pouco tempo depois.

O primeiro exame do Instituto Médico-Legal (IML), entretanto, indicou que a fisiculturista foi asfixiada pelo namorado, antes da queda. No entanto, uma segunda análise do IML mostrava que ela não tinha sido asfixiada e o médico acabou sendo solto.

O Ministério Público e a Secretaria de Segurança do Paraná abriram investigações para apurar por que saíram dois laudos do IML com resultados opostos. Para esclarecer as dúvidas sobre a morte de Renata, a Justiça determinou a exumação do corpo.

O resultado confirmou que a fisiculturista já estava morta ao cair do prédio. “O que vale é o laudo mais completo. É o laudo em que todos os exames foram feitos de maneira mais incisiva assinado por vários peritos”, afirmou o Secretário de Segurança do Paraná, Wagner Mesquita.

Testemunhas arroladas no processo foram ouvidas em agosto do ano passado, mas ainda não definição do julgamento do médico. Ao juízo, a defesa sustenta a tese de que Renata se matou.

 

Fonte: G1 Paraná

Fechar Menu